“Semper Fidelis”

“Semper Fidelis”, ou “Semper Fi”, é o lema do Corpo dos Fuzileiros Navais dos Estados Unidos, que traduzido do latim significa “sempre fiel”. Ele expressa o sentimento de união dos Marines, que o tem por alto valor. Confesso que não me interesso por tatuagens, mas essa frase valeria uma tatoo em um lugar especial. Continue lendo e você entenderá porque.


 


Na década de 60, o movimento feminista teve o que os historiadores chamam de segunda onda, pois a primeira havia ocorrido no início do século XIX. Aconteceram muitas manifestações sobre a igualdade entre homens e mulheres, sendo a “queima de sutiãs” após a escolha da Miss América, em 1968, um ícone do movimento. A mulher buscava igualdade e liberdade em todas as áreas, sobretudo na sexual.

 

É inegável que a mulher ganhou espaço na sociedade. Muitas começaram a trabalhar, tornando-se independentes financeiramente,  o que contribuiu para a sensação de igualdade entre elas e os homens. Porém, a tão sonhada igualdade teve como efeito colateral a aquisição dos maus hábitos masculinos pelas mulheres. Uma mulher fumando, bebendo e traindo passou a ser aceitável.

 

Em 1991, aos quinze anos, comecei a trabalhar como office boy de um dos diretores de um banco. Cada diretor contava com um office boy e uma secretária. Eram vários diretores,  consequentemente também eram várias secretárias, todas muito bonitas. Havia até uma que concorrera a Miss Santa Catarina.

Lembro-me bem da primeira festa de fim de ano de que participei. Os diretores, homens de muito dinheiro, trouxeram várias garrafas de whisky importado, e o pessoal que não era acostumado com a bebida forte começou a se exceder. Um dos presentes, visivelmente alterado, não parava de sussurrar na orelha de uma secretária, que lhe deu um “chega pra lá”. Achei aquilo estranho, pois ambos eram casados. Passei então a observar melhor o local e constatei que várias funcionárias estavam conversando e rindo com homens (casados) que mais pareciam lobos …

De lá para cá foram 20 anos trabalhando, muitas festas de fim de ano e uma constatação triste: o ambiente de trabalho é um campo fértil para a traição.

Não precisa muito esforço para se chegar a essa conclusão. O expediente normal das empresas tem oito horas. Nesse período, homens e mulheres convivem juntos, com intervalo para almoço. As mulheres, mais presentes no mercado de trabalho, se dizendo independentes e cada vez mais liberais; os homens, que sempre “puderam” trair, continuam com o hábito. Com um cenário destes, a ocorrência de casos amorosos é questão apenas de vontade, já que oportunidades não faltam.

Um amigo me contou a história de um colega seu de trabalho. Era um homem casado, com dois filhos, na casa dos quarenta anos. Uma nova estagiária acabara de ser contratada. Nova mesmo, com seus vinte e poucos anos e muita beleza. Ele ficou encantado com a moça e não resistiu. Em pouco tempo, estavam tendo um caso. A esposa descobriu e teve a atitude mais natural e compreensível de todas: deixou o lar levando consigo os dois filhos. Ele decidiu “ser feliz” com a outra, tocar a vida, começar de novo. Só não contava com a reação da moça. Ela não quis viver com ele. Tinha sido só um affair, um romance passageiro sem compromisso próprio da idade dela.

O saldo final foi extremamente negativo. Aquele homem perdera um casamento e sua nova paixão o abandonara. Ele descobriu o gosto amargo da infidelidade e tornou-se uma pessoa infeliz e sem rumo.

Ah, se ele conhecesse o livro de Provérbios, saberia de antemão o resultado de seu adultério…

Pois os lábios da mulher imoral destilam mel; sua voz é mais suave que o azeite, mas no final é amarga como fel, afiada como uma espada de dois gumes. Os seus pés descem para a morte; os seus passos conduzem diretamente para a sepultura. Ela nem percebe que anda por caminhos tortuosos, e não enxerga a vereda da vida. Provérbios 5:3-6

Pois o mandamento é lâmpada, a instrução é luz, e as advertências da disciplina são o caminho que conduz à vida, eles o protegerão da mulher imoral, e dos falsos elogios da mulher leviana. Não cobice em seu coração a sua beleza nem se deixe seduzir por seus olhares, pois o preço de uma prostituta é um pedaço de pão, mas a adúltera sai à caça de vidas preciosas. Provérbios 6:23-26

E não é que Salomão conhecia até o discurso da adúltera?

O caminho da mulher adúltera é assim: ela come, depois limpa a sua boca e diz: Não fiz nada de mal! Provérbios 30:20

Embora o casamento esteja banalizado e a traição e o divórcio tenham se tornado comuns, prefiro seguir o exemplo de dois homens que conheço e admiro.

Um deles é o Pr. Irland Pereira de Azevedo, casado com D. Zilá Teixeira de Azevedo desde 10 de março de 1956. Todas as vezes que o vi se referir à sua esposa, sempre utilizou palavras carinhosas e elogios românticos. Seus olhos brilhavam quando olhava para ela, sentada logo nos primeiros bancos, mesmo na cadeira de rodas em razão do AVC que a acometera. Com mais de cinquenta anos de casados, o carinho e respeito estão estampados no semblante de ambos, coisa rara de se ver.

O outro é meu pai, que completará 38 anos de casamento em breve. Sou testemunha ocular das lutas e dificuldades que passou ao lado de minha mãe, e não me recordo de uma vez sequer que ele tenha tratado ela de forma desrespeitosa. Também nunca vi meu pai fazendo qualquer comentário quando passava uma mulher na rua. Sou muito grato a Deus pelo privilégio de ter os pais casados e unidos.

Enquanto escrevia este texto fiquei pensando na tatuagem, e decidi fazê-la. Não do modo tradicional, mas do meu jeito. Todos os dias, assim que acordar, imaginarei a frase Semper fidelis ad Priscila (sempre fiel à Priscila) tatuada em meu coração, para me lembrar o quanto a amo e que lhe devo a fidelidade prometida na declaração de votos feita no altar quando nos casamos.

Esta entrada foi publicada em Família e marcada com a tag , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

13 comentários para "“Semper Fidelis”"

  1. Fabiana 29 de setembro de 2011 às 10:01 am 1

    Sem comentários… o texto me fez borrar a maquiagem logo pela manhã… Beijos!

  2. Priscila Rueda Criscuolo Rocha 29 de setembro de 2011 às 12:16 pm 2

    Obrigada Edu, pelo teu amor e pela tua fidelidade. Você tem honrado, dia após dia, os votos que fizemos diante do Senhor. Te amo!
    “Semper fidelis ad Eduardo”.
    Priscila

  3. Raphael 29 de setembro de 2011 às 12:34 pm 3

    Mandou bem, meu caro!

    Ad Fabianae semper fidelis esse voleo.

  4. Leandro Serafim 29 de setembro de 2011 às 12:42 pm 4

    Eu não borrei a maquiagem rs.
    Mas também trago uma homenagem a minha esposa no meu dedo anelar esquerdo, com o nome dela gravado em ouro.
    “Semper Fi”

    E parabéns pelo artigo!

  5. denes cantos 29 de setembro de 2011 às 2:55 pm 5

    muito ,muito bom mesmo meu irmao eduardo ,
    Deus esta usando esse site ja e muito pois falou ao meu corçao tambem este texto ,
    que deus continue abençoando

  6. Tatiana 1 de outubro de 2011 às 6:52 pm 6

    Que DEUS use o seu testemunho para contagiar outros homens, em nome de JESUS!!!!

  7. Daniela Ferreira 4 de outubro de 2011 às 6:09 pm 7

    Parabéns Edu que Deus continue usando sua vida e suas palavras para edificar a vida das nossas famílias. Que Deus te abençoe.

  8. Momentos marcantes de 2011 | Hombridade com H 16 de dezembro de 2011 às 9:45 am 8

    […] A lista de agradecimentos começa pela minha esposa, Priscila, que me apoiou desde o início, revisando os textos e sugerindo temas, além de cuidar das crianças para que eu pudesse escrever e comparecer a eventos, sem falar na inspiração que ela me dá para escrever textos como este. […]

  9. M de mulher | Hombridade com H 8 de março de 2012 às 8:06 am 9

    […] na virada do século XIX para XX, já buscavam igualdade de direitos e reconhecimento. Já escrevi aqui sobre o movimento feminista da década de 60, que reavivou a luta das mulheres por seus […]

  10. Maíra Coutinho Roque Neves 6 de setembro de 2015 às 8:06 am 10

    Bonita sua devoção à sua esposa, Eduardo. Estava procurando mais explicações sobre a expressão em latim “semper fi”, pois acabei de assistir um episódio de uma série cuja expressão fora mencionada. A única observação que faço, e não é uma crítica de forma alguma, são as passagens bíblicas escolhidas. Por elas é possível perceber sua origem religiosa. Vc é evangélico. Mas isso não é jamais um problema ou defeito. Sou espírita e respeito mto a fé e a devoção de vcs. Creio que somos todos filhos de Deus e as diferenças religiosas são criações humanas e não divinas. A única coisa que me entristeceu foi perceber que nas passagens citadas e nase histórias relatadas, as adúlteras, as mulheres infiéis, os lábios, o mel, a mulher imoral, as mulheres e seus atos que conduzem ao mal, ao adultério, à sepultura, ao desalinho. Os provérbios de Salmo sobre a mulher adúltera, etc., etc. Claramente fica óbvio que o texto que trata da infidelidade culpa a mulher, seu ardil, sua juventude, sua beleza e os pobres homens são levados, quase forçados a trair. É feio mesmo os novos hábitos das mulheres de fumar e outros. Mas veja como vc colocou: a mulher quer se parecer com o homem. Ou seja, esses hábitos que vc condena nas mulheres modernas que tb julgo feios vc não condena nos homens! Eles podem só por serem homens! Sou advogada, espírita, casada, fiel, assim como meu marido. E pode aparecer uma deusa da beleza de 20 anos nua na frente dele, uma messalina, uma Gesebel. Se ele se não conseguir ser fiel e cair em tentação, pq a culpa é SÓ DELA? Se ele fosse um homem sério e de Deus, como eu sei que é, diria: “vista-se moça. Sou um homem casado, fiel, feliz.” Mas se traísse e não se importasse com o fato de ser casado, seu erro seria tão grande ou até maior que o dela

  11. Eduardo Rocha 29 de setembro de 2015 às 9:34 pm 11

    Obrigado pelo seu comentário Maíra. Na verdade eu sou cristão, pois sigo a Cristo. E o blog é justamente para aqueles que buscam ser semelhantes a Cristo, tanto homens quanto mulheres! O comportamento dos imorais e adúlteros é desaprovado, sejam homens ou mulheres. Talvez eu não tenha me expressado bem, mas homens que traem, fumam, bebem também estão errados! Obrigado pela visita e fique a vontade para comentar! Ah, por acaso a série que você assistiu é Jerico? Um abraço,
    Eduardo

  12. Maíra Coutinho Roque Neves 6 de setembro de 2015 às 8:20 am 12

    Li a Bíblia muitas vezes ao longo de meus 35 anos de vida. E não concordo que a culpa atribuída à mulher e a absolvição dada ao homem sejam justas. Tanto que estão nas passagens citadas sob a égide das leis Mosaicas no Velho Testamento. Os evangélicos não citam tanto o Novo Testamento e as leis de amor e perdão do Cristo. Mas é importante sempre lembrar: quem e qtos atiraram a primeira pedra seguindo fielmente as leis de Moisés qdo perguntaram ao Cristo como punir a adúltera? “Vá e não peques mais!”. Essa frase foi para ela naquele momento. Mas é para TODA A HUMANIDADE HÁ 2015 ANOS! Homens ou mulheres. Todos nós somos passíveis de errar, Eduardo. Todos somos pecadores. Mas o Velho Testamento não traz em suas leis um único caso onde um adúltero homem fosse apedrejado. Esse “privilégio” era só das mulheres. Jesus com sua infinita bondade e misericórdia pacificou o assunto. Somos TODOS IGUAIS. TODOS DEVEM AMAR A DEUS ACIMA DE TODAS AS COISA E AO PRÓXIMO COMO A TI MESMO. Sendo mulher ou homem. Ah, e quem sou eu para contrariar o Cristo e atirar pedras apenas em mulheres como se apenas elas fossem adúlteras e causadoras das predições dos machos, dos homens? Tenham um bom dia. Fiquem todos com Deus e semper fi a Ele acima de tudo. E que assim seja.

  13. Eduardo Rocha 29 de setembro de 2015 às 9:44 pm 13

    Maíra, todos nós, homens ou mulheres, somos pecadores e totalmente dependentes da misericórdia de Deus. Nos dez mandamentos, os “não” são para homens e mulheres (não adulterarás, não cobiçarás, etc.). Não tenho uma explicação do porque os textos falam da mulher adúltera sem citar homens, mas creio que seria mesmo injusto se a lei fosse aplicada apenas às mulheres. De qualquer forma, as palavras de Jesus “resumem a ópera”: ame a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a ti mesmo. Obrigado pela visita e comentário! Um abraço, Eduardo


Escreva um comentário